Palavras soltas...

(...) "Tenho aprendido muitas coisas nos últimos tempos. Uma delas é que jamais podemos deixar para amanhã um gesto de carinho, um sorriso verdadeiro, uma declaração de amor."

Confira a crônica completa clicando aqui.

sábado, 18 de setembro de 2010

Ainda não...

No último final de semana, ele alugou uns dez filmes bem românticos, principalmente comédias românticas, por acreditar que amor precisa ser engraçado também... Filmes daqueles, que no final, o cara se empolga todo para tomar coragem e se declarar à mulher amada. É disso que estou falando.
Aproveitou para ensaiar algumas falas que os mocinhos diziam para conquistar as mocinhas. Em algumas tentativas, de frente pro espelho, até que se saiu bem, muito bem.
Seu plano, era conquistar aquela menina. Aquela mulher. Aquela pessoa especial...
Mas, no final das contas, sabia que seria difícil demais ultrapassar a barreira da timidez para se declarar à ela, a quintessência da beleza e da perfeição. Perfeição em forma de mulher.
Na vida real as coisas não são tão fáceis assim. Na vida real, nem sempre há como voltar a cena e dizer tudo de novo. Aliás, até tem. O difícil é que isso não é filme. Sendo assim, pode ser que a outra pessoa nem queira escutar o que você tem a dizer depois de uma mancada. E mais: mesmo que ela se disponha a escutar, isso não quer dizer que o que foi dito ou feito será esquecido... a vida é real, cruel as vezes. O phoda e ao mesmo tempo bacana da vida é que não há como editá-la; não há como cortar as cenas que ficaram ruins.
A vida segue, aconteça o que aconteça.
De uma coisa, porém, ele sabia: ela era, de fato, diferente. Especial.
Ele a admirava com a mesma intensidade que o sol ilumina sua grandiosa galáxia; a sentia como uma mãe sente o filho em seu útero; a procurava como um sedento procura por água no deserto; a desejava como... como... (deixa eu encontrar a melhor palavra... um momento, por favor...) Ah, ele a desejava de uma forma tão intensa que eu nem sei explicar, entende?
Caso não entenda, posso garantir que você vai entender, pois acho que todo mundo já desejou alguém assim. Se não desejou ainda vai desejar.
Quanto ao nosso amigo, apesar das 48 horas ininterruptas assistindo filmes românticos, não foi dessa vez que o cara se declarou. Na hora “H” faltou coragem, ele gaguejou e começou a falar de futebol para ela, logo para ela, que odeia futebol. É a vida. É real. É o amor. É real.

É isso.

17 comentários:

Amanda disse...

A cronica, como sempre ficou linda!
Mas quem é "ela"???

Bjooo

Luciene disse...

Paulo, amor precisa ser engraçado mesmo.

Amanda, é só descobrir com quem ele assistiu as comédias românticas no último final de semana. rsrsrs

Bjão
Obrigada pela postagem. hehehehe

Luciene disse...

ah, que tal pedir ajuda a tequila?

Acho que esta timidez vai embora, en? rsrsrs

Ana Paula disse...

Adorei quando vc disse que "certas pessoas nascem para calar a boca daqueles que dizem que nao existe perfeição"


Paulo Fernando! Único

Adorei a cronica... Caso nao seja o personagem... diga a esse cara para criar logo coragem e correr atras do que ele quer!

Jéssica disse...

Q lindo!

Uma hora eu me apaixono de novo....
Por voce!

Luciene disse...

Que romântico. :)

Paulo Borges! disse...

O amor tem mesmo que ser engraçado.
Sempre achei que a pessoa que gostamos precisa nos fazer sorrir, dar gargalhadas. O amor tem q ser divertido...

Mas num achei essa cronica engraçada. Achei triste, pra ser honesto. Frustrante quando a pessoa nao consegue se declarar, viver um lance legal com alguém.

Flávia disse...

eu amei como sempre ! você é fooda demais ! HAUAHUAHUAHA

beeijão, some não :D

Luciene disse...

Que romântico, a quase declaração de sua leitora, Paulo.

Eu já havia comentado sobre o conteudo da postagem.

bjim

Luciene disse...

Explicado, rsrs

fuiii

Aline disse...

Nada de tequila, nada de não ser voce mesmo.
Declare-se do seu jeito, mesmo que seja mesmo tímido...
O que vale é ser honesto!

Lindo texto! Bjos

Luciene disse...

hehe.

:$
:$

Luciene disse...

Putz... vou ter que concordar com vc, Aline.

Paulo, esquece a tequila.

Paulo disse...

Vou dizer a ele: esqueça a tequila, cara!

Luciene disse...

Ok então Paulo, diga a ele. rsrsrsrsrs

Luciene disse...

bju

Paulo disse...

Dito.