Palavras soltas...

(...) "Tenho aprendido muitas coisas nos últimos tempos. Uma delas é que jamais podemos deixar para amanhã um gesto de carinho, um sorriso verdadeiro, uma declaração de amor."

Confira a crônica completa clicando aqui.

sábado, 26 de junho de 2010

Invertendo...

Quem precisa da Polícia, aí?


Eu e minha família precisamos. E, acredito que você, caro leitor, e sua amada família também.

Até curto a música, mas dizer que não precisamos seria mentira.

E porque precisamos, queremos uma polícia bem preparada, estruturada, eficiente e, acima de tudo, honesta.

Aliás, é assim que queremos todas as instituições, inclusive a educação, que anda uma vergonha aqui em Minas Gerais e – é o que eu penso – a culpa não é só dos professores.

Mas falemos da Polícia. Trabalhando no jornal, com frequencia recebo e-mails, telefonemas e até declarações pessoais de gente descendo a lenha na Polícia Militar. É gente dizendo que a polícia não prende bandido; que demoram atender às ocorrências; que são violentos e mal educados, etc.

Não quero e nem me atrevo a advogar a favor de ninguém. Mas acho que a grande maioria das queixas são infundadas e injustas, pelo menos do que diz respeito à Polícia Militar de Uberaba.

Gente, eu passo o dia todo acompanhando esses homens e mulheres em sua interminável guerra contra a bandidagem, contra o tráfico e a violência, todo tipo de violência. E, honestamente, eles ralam. Ralam muito.

Penso que não seja fácil o trabalho dos militares. Hoje em dia bandido não respeita mais nada. Estão cada vez com menos escrúpulos. Antigamente, bandido não entrava em igrejas para assaltar, temendo um castigo divino. Hoje, basta um segundo de bobeira e lá se vão os castiçais de ouro e cálices sagrados. E para quem não respeita nem mesmo Ele, o Todo-poderoso e Onipotente, desrespeitar um policial durante uma abordagem é fichinha.

Aí, num belo dia, o PM pede para que o bandido coloque as mãos para cima. Como resposta, recebe agressões, chutes e ameaças de morte. Ao avançar contra o militar, o bandido acaba alvejado na perna com um tiro. “Que policial covarde” dizem algumas pessoas. Então eu pergunto: covarde não é aquele bandido que acabara de roubar a motocicleta de uma estudante que estava indo trabalhar para conseguir o dinheiro e pagar sua faculdade? Covarde não é o bandido que joga a senhora de 70 anos ao chão para roubar dela a bolsa contendo a sua aposentadoria, que é uma miséria, mas é dela?

Posso até estar errado, mas essa história de direitos humanos deve ser revista. Nosso código penal precisa, urgentemente, ser alterado. Caso contrário, muitos vão entrar na onda e começar a acreditar que o crime compensa. Afinal, no fim o bandido ta virando mocinho e os “homi” tão sendo os vilões. Essa banalização do crime pode chegar ao extremo e, daqui a algum tempo nada mais será crime, logo, não haverá mais criminoso no mundo. Todo mundo será bonzinho e, por isso, a Polícia virará vilã de uma vez por todas.

Claro que ninguém gosta de ser abordado na rua e levar um baculejo. Eu não gosto. Mas faz parte do trabalho da Polícia e isso também demonstra competência por parte deles, prevenir, anteceder a ação criminosa. Ora, é através dos baculejos que se prendem muitos homicidas que estão soltos pelas ruas e têm em seu desfavor mandados de prisão! É algo necessário.

Vivo isso e posso dizer, tem cara que acha que só porque não é traficante, homicida ou assaltante ele tem direito de não ser correto em outros segmentos da vida. Por exemplo: o cidadão para em uma blitz. Lá, descobre-se que o cara não possui carteira de habilitação. Ora, se não tem ta errado. Tem que pagar multa. É lei. E o mesmo serve para o individuo que não usa cinto, que bebe e dirige (esse é o pior. Beber e dirigir é crime). “Ao invés de ir caçar bandido, ficam mexendo com trabalhador”, dizem alguns. Talvez meu argumento esteja errado, mas normalmente os bandidos possuem carros, motos e, por meio das blitze são muitas vezes pegos no pulo. Isso é “caçar” bandido. Lógico que muitas vezes quem cai na blitz não deve nada e, alguns policiais mal preparados, acabam fazendo besteiras. São seres humanos. Erram. Vão continuar errando. Eu erro, você erra, todo mundo erra!

É claro que existem policiais desonestos, corruptos e que bem poderiam ser chamados de bandidos. Mas também existem jornalistas assim; médicos, advogados, professores (é! Professores!) e tantas outras profissões. Aliás, isso não é um mal da profissão ou das instituições, é questão de caráter, e caráter cada um tem ou não tem o seu... E outra: em todos os segmentos, felizmente, existe mais gente honesta do que desonesta. Que bom.

Sei que eu não disse muita coisa nesse texto. Mas, no fundo, o que eu queria dizer é que ao invés das pessoas ficarem reclamando e procurando tantos defeitos, seria tão mais interessante enaltecermos as qualidades. É aquele negócio, se é para espalhar notícias, façamos isso com as notícias boas e que nos fazem evoluir...

20 comentários:

Luciene disse...

Nota 100000000.
:)Fiquei emocionada.

Parabéns pela postagem.

Renato disse...

Se a maioria da população tivesse essa linha de pensamento, talvez Uberaba ainda seria aquela pacata cidade que todos costumavam dizer, não só Uberaba mas todo o país.Ainda bem que existem pessoas como você que acreditam em nossa profissão que é um tanto complicada!

Abraços...

Sd Renato

Aline disse...

"Eu vejo em cada estrela que brilha na nossa Bandeira Nacional, o brilho e o valor de cada Soldado; que luta no dia a dia, nas trincheiras de cada esquina em defesa da nossa sociedade."

Luciene disse...

Infelizmente, é veiculado pela mídia somente os maus exemplos, a corrupção e a falta de caráter, mas os bons exemplos, que são a maioria, não veiculam.

Parabéns pela iniciativa.

Jéssica disse...

Concordo plenamente com você, Paulo!
E acho que os policiais são muito pouco valorizados pelos governantes e pela sociedade. Apesar de eles estarem na profissão não pelo salário , o pagamento pelo que eles fazem à comunidade é muito pouco , incompatível e injusto.
Altruístas, os PMs e Bombeiros colocam a vida deles em risco por causa da nossa, e isso ninguém, ou quase ninguém, reconhece. Mas, como você me disse hoje, não é por reconhecimento que eles fazem isso, é por dom!
Belíssimo texto, como sempre!

Bjos
Saudades de falar com vc pessoalmente!

André disse...

É incrível a condescendência dos cidadões de Uberaba para com os criminosos. É como citado no título... "Invertendo..."

Patrícia Coimbra disse...

ameeeei!

*_*

Jéssica disse...

É verdade, não havia pensado nisto.

Giovanna disse...

Que demoram no atendimento a ocorrências, isso é verdade.

Anônimo disse...

Os marginais continuam desafiando a polícia e em algum momento, vão se dar mal por causa desta audácia, e todos seremos felizes para sempre.

Pedro disse...

"...as famigeradas Aisps já não servem nem pra lavrar boletim de ocorrência."
Generalizar e usar de sensacionalismo para detonar uma instituição como a PM é na minha concepção, no mínimo, anti-profissional.

Parabéns por ser uma exceção.

SD Pedro

Rodrigo disse...

"para reforçar entendimento da colunista, totalmente contrária à construção de Aisps, que nada mais são que delegacias de bairro que não intimidam criminosos."

Que horror, eu já precisei de fazer uma ocorrência e achei muito bom não ter que deslocar até o batalhão, aliás fui muito bem atendida.

Concordo com vc Pedro.

sgt romes disse...

Paulo Borges, sou sgt da gloriosa,fiquei feliz de ler uma msg como esta,tenho visto alguns jornalistas, inclusive que tem graduação na PMMG,e outros que são defensores de bandidos e escrevem no mesmo jornal que o seu, falarem mau da policia e sempre estão precisando da gloriosa,vc merece o respeito de todos os policiais militares, pois teve coragem de relatar a verdade.
A PM em uberaba se desdobra para dar uma satisfação para a sociedade e muitas das vezes é criticada por pessoas que não tem escrupulos,e reclamam por tomar "baculejo" ou seja ser abordado e esquece que o bom não traz estrela na testa e que o policial não tem bola de cristal.
A sociedade é hipócrita e não merece a polícia que tem.

Georgia Massa disse...

É uma "puta falta de sacanagem". rsrsrsrs

Mônica disse...

eu acho que o anonimo deveria ter colocado: os marginais de colarinho branco, porque - e eu acredito cegamente nisso - que se estes nao existissem, se este marginais de colarinho branco, fossem apenas os colarinhos, idepentemente de cor ou dinheiro, a nossa realidade seria outra e não precisariamos tanto de policia pra defender nossos familiares ou a nós mesmos contra ladroes pé de chinelo... precisamos sim de policia pra nos defender dos psicopatas, estupradores, pedofilos, politicos (ops!!)e ate mesmo contra os proprios policiais, ca entre nós, mts sao corruptos e nao acreditam na lei muito menos na justiça...

Vivis disse...

Adorei

Paulo Borges! disse...

Pois é, Povo!

A discussão é boa! É necessária!

Gostei do ponto de vista da Mônica. Claro que um erro nao pode ser justificativa para cometer outros erros, mas, no entanto, a coisa lá em Brasília, nas assembleias legislativas e em muitas camaras de vereadores está feia e precisa urgentemente ser revista.

Abraços e obrigado pelas trocas de ideias!

Vivis disse...

Adorei seu blog.

Um abraço forte!

Anônimo disse...

Profundo!!!!!!!!!!

Camille disse...

Não existe no País punição para quem comete os chamados crimes de colarinho branco. “Passa batido um governador recebendo dinheiro ou um assessor escondendo dinheiro nas meias ou na cueca."