Palavras soltas...

(...) "Tenho aprendido muitas coisas nos últimos tempos. Uma delas é que jamais podemos deixar para amanhã um gesto de carinho, um sorriso verdadeiro, uma declaração de amor."

Confira a crônica completa clicando aqui.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Percebi


Cobrindo a editoria de polícia de um jornal diário, é possível perceber algumas coisas:

No caso de um acidente como, por exemplo, de um homem que trabalhava e foi soterrado por 12 mil toneladas de soja, ficando submerso a cerca de 30 metros de profundidade...
Os bombeiros correm para salvar uma vida.
Os jornalistas correm para buscar uma notícia.
Os curiosos apertam o passo para ver o que está havendo.
O agente funerário se agita para concretizar um negócio e realizar os trâmites funerários, caso o homem não sobreviva.
A Família se esforça para ter esperanças de que tudo vai dar certo...

Dezoito horas após o acidente e o corpo já sem vida enfim ser resgatado, os bombeiros saem consternados por não conseguirem salvar o operário.
O jornalista sai com a notícia, o furo, mas triste pela morte de um ser humano.
Os curiosos satisfazem seu desejo de presenciar a tragédia.
O agente funerário, do seu jeito peculiar, convence a família a contratar os seus serviços.
E a família não consegue nada. Não entende os motivos da desgraça. Não compreende o porquê de ter sido aquele homem, pai de quatro filhos. E não sabe por que justo quando mais se precisava as orações não surtiram efeito...
Eis a vida.

Um comentário:

patricia disse...

por isso devemos fazer o que temos vontade mesmo. na hora. depois é depois. depois os amigos que nos ajudem.
saudade, viu?