Palavras soltas...

(...) "Tenho aprendido muitas coisas nos últimos tempos. Uma delas é que jamais podemos deixar para amanhã um gesto de carinho, um sorriso verdadeiro, uma declaração de amor."

Confira a crônica completa clicando aqui.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Enquanto o sono não chega


E se os sonhos se tornassem reais?
E se tivéssemos asas? Se pudéssemos voar?
E se pudéssemos ser invisíveis, atravessar paredes e ter visão raio-x?
Se soltássemos teias de aranha e pulássemos pelos prédios da cidade?
E se fossemos tão rápidos como são rápidos os relâmpagos?
Se tivéssemos uma força descomunal? Uma força assim, capaz de suportar qualquer coisa?
Se fossemos a prova de balas, de fogo, de água, de tudo?
Se tivéssemos todos esses superpoderes, seriamos imortais?
Talvez. Pois, como quase tudo na vida, depende do ponto de vista e da forma como encaramos e interpretamos cada coisa, da mais simples à mais complexa.
Penso que não seríamos imortais. Morreríamos. Senão no campo físico, no espiritual. No campo do pensamento, onde está o subcampo do esquecimento, é difícil ser imortal. É difícil não ser esquecido. É praticamente impossível.
O certo, imagino, é ser imortal enquanto se vive.
Como?
Vivendo!
Fazendo.
Fazendo a diferença.
Para você mesmo.
Para o mundo.
Para alguém.
Sendo original.
É possível que um simples telefonema em uma noite fria para alguém que se sentia gelado por dentro a ponto de se comparar a um iceberg, transforme quem ligou em um ser imortal. Na lembrança daquela pessoa fria que fora invadia por um calor fora do comum, o momento, o ligador, a voz: são imortais. Viverão para sempre. Mesmo que morram. Viverão.
Para se fazer imortal. Lembre-se.
De ser gentil.
De sorrir.
De brigar, se preciso.
Lembrando-se, logo será lembrado ou nunca esquecido, a ponto de nunca se tornar uma lembrança e sim um pensamento constante.
Imortal é aquele ou aquilo que fica mesmo depois de ter ido para sempre...

5 comentários:

Patrícia disse...

e se pudéssemos voltar no tempo? esse seria o melhor super poder, não concorda?
acho que não. nunca concorda comigo... :)

Juliana disse...

Essa é a verdadeira imortalidade, a que só existe no coração dos outros. Imortalidade que não se pede, não se obriga, vem naturalmente, mas uma vez imortal no coração de alguém, nem o tempo ou a distância apaga...

Jaki disse...

filosofico...
depois escrevo mais

Mônica disse...

Ser imortl deve ser tão chato, né? Até os Deuses, de vez em quando, se transformam em seres humanos mortal pra ser o gostinho da efemeridade da vida. Ser imortal, pelo menos pra mim, pode ser muito chato... vc vê tudo passar, ir embora e vc ficar. Não importa se vc lembra das coisas que passaram quando as coisas não estão mais aqui para lembrar de você. De todo jeito, se é esquecido. Pq lembrança é dois. Ser lembrado e lembrar.

Mônica disse...

Noossa, Paulo, obrigada por tanto carinho. A pessoa aqui quase que fica sem jeito pra responder. Muito, muito obrigada mesmo!!
Abraços :)