Palavras soltas...

(...) "Tenho aprendido muitas coisas nos últimos tempos. Uma delas é que jamais podemos deixar para amanhã um gesto de carinho, um sorriso verdadeiro, uma declaração de amor."

Confira a crônica completa clicando aqui.

sábado, 8 de agosto de 2009

Quereres




Às vezes a melhor coisa a se fazer é não fazer nada.
Ficar parado. Pensando. Até porque não dou conta e não acredito que alguém consiga ficar sem pensar em nada... dizem que quem pratica meditação consegue. Um dia eu tento e tiro a prova.
Enquanto isso fico aqui pensando nas várias coisas que eu tinha vontade de ser...

Eu queria ser um espelho. Todo mundo encara e olha nos olhos do espelho. É na frente do espelho que somos nós mesmos – atrás de maquiagens, roupas e penteados – é você e só você quem está ali. O espelho, por sua vez, não mente. Mostra-te tudo: seus defeitos e qualidades físicas e a exata maneira como você está se sentido no momento em que olha para ele: os olhos não mentem, não conseguem mentir. E não adianta fazer biquinhos e caretas e poses sensuais: é você quem está ali. O espelho é a realidade nua e crua.

Às vezes eu queria ser um barco sem motor, sem remador, sem capitão, vazio, solto no mar. E onde eu atracasse, seria o meu lugar. Às vezes, mesmo não procurando, encontramos exatamente o lugar, a pessoa, a situação perfeitos para a nossa vida. Um barco. Um vazio. Um mar. Um lugar.

Eu queria ser um livro. Um livro com uma história muito bonita e feliz. Uma história capaz deixar todos sorrindo, até chorar, soluçar, de tão engraçada e bonita que é. Eu queria ser este livro que alegrasse aquela menina que perdeu a mãe, ontem. Eu queria ser este livro, com esta história, para fazer sorrir aquele pai que perdeu o filho e não vê mais razão para viver. Um livro capaz de fazer com que as pessoas deixassem de pensar só em si mesmas, nem que seja por instante, e compartilhassem aquela história, bonita, feliz. Um livro. Um sorriso. Alegria.

Eu queria ser uma bola de futebol para o menino que nunca teve um brinquedo. Queria ser um copo de água para aquele velho sedento no meio do deserto. Eu queria ser o ombro amigo da moça triste que não tem amigos. Queria ser o foguete que estoura na comemoração de um gol. Queria ser o gol da vitória, do título. O gol. É, eu queria ser o gol.

9 comentários:

Mônica disse...

Você queria ser um monte de coisas engraçadas, nera? Mas falando de espelho: o espelho mente, e mente muuuuito. Leia os contos "O espelho" de Machado de Assis e, com o mesmo nome, "O espelho" de Guimaraes Rosa. Ae, você vai ver o quanto o espelho pode ser mentiroso. O pior de todos os mentirosos. Não queira ser ele. Ser espelho é triste :( Ele não tem luz própria, ´só reflete, indiscriminadamente, qualquer coisa que lhe aparecer na frente. Queira ser a janela, ou a ponte, ou o horizonte :D Queira ser o caminho, a nuvem, o vento ou a tempeste...
Obrigada mais uma vez: pelo seu texto e por seu comentário.

Mônica disse...

Paulo, vou te passar este blog, é de um amigo meu, eu sei que vc não curte muito poemas, mas nooossa, o cara é muito muito muito melhor do que eu. :P Dá uma olhada, depois diz se vc gosta ou não, ok?
Beijo

http://galafuz.blogspot.com/

patricia disse...

eu queria que o ser humano fosse menos complexo.

Memória de Elefante disse...

Também não sou muito do frio.gostei dos teus textos!

Marilia Cândido Lopes disse...

Quantos "quereres" Paulo...você está um tanto melancólico.

Jaki disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jaki disse...

Por que ser o espelho se é frágil e se quebra tão facilmente?
Por que o barco sem remo? perdido no nada, sem vida, sem som? sem sentimento?
Por que o livro, se pode ate fazer a diferença pra alguma pessoa nakele instante, mas depois fica no esquecimento...?
E porque ser uma bola de futebol, se é gorda, vive no chão e ainda é chutada por tanta gente?

Nesse instante eu queria ser vc, pra te entender

Delírios Literários disse...

Nossa Paulo, vc ké tantas coisas!
Gostei da história de ser um barco, assim, boiando no mar. Realmente, as coisas parecem que acontecem do nada, mas como disse a Indiara na aula de administração, pode ter certeza que o que você conseguiu hoje, alguma coisa você fez lá atrás para merecer.
Mas entre todas essas coisas que às vezes vc queria ser, sei que o que mais você quer é ser vc mesmo, né? Não a nada para como ser a gente. Mas "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é" (Caetano Veloso), não é mesmo?

Jaki disse...

paulo vc mudou alguma coisa no seu blog? a imagemm de exibição?
está diferente...
parabéns